Dactylographia – Testemunho Internauta

Dactylographia – Testemunho Internauta

  Esta matéria inaugura a participação do Internauta no Baú dos Antigos!

Esta é uma conquista em nosso projeto de interatividade, que não fica só no discurso! Vamos mostrar o resultado disto agora!

Viva, um tabu quebrado, pois em geral o internauta nos prestigia, lê, faz sua reflexão e ficamos muitos felizes com essa participação! Mas quando o internauta se emociona e recorda do seu passado e das doces recordações de uma época que marcou sua vida, então estamos alcançando definitivamente o nosso objetivo! A matéria sobre datilografia e máquinas de escrever, em que dei meu testemunho sobre fatos passados e minha experiência bombou tanto que vários internautas começaram a mandar fotos de suas máquinas de escrever com suas experiências. Veja a matéria: Curso de Dactylografia – Escola Remington

Então vamos lá, este é o relato do Valdomiro, e sua Remington 25:

remington 25 em concepção artistica

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Valdomiro me relatou ter uma Remington, e ofereceu a peça para eu fazer uma sessão de fotos com ela. Lógico que eu aceitei na hora, então nos encontramos para combinar os detalhes, ele acompanhado de sua relíquia. 

Baú: Valdo, meu amigo, onde estava esta máquina? Me dê o seu testemunho!

Valdo: Estava guardada faz tempo, ganhei ela de presente da minha mãe, acho que no início dos anos 1980, quando era importante ter curso de datilografia. Eu fiz o curso, mas como precisava praticar em casa, a máquina ajudou muito. Até hoje eu lembro das aulas e da posição dos dedos nas teclas, cada qual com suas letras. Foi importante saber datilografia e ter o curso nas entrevistas de emprego na época. Eram feitos testes com os candidatos, e o que conseguisse mais “toques” num determinado tempo, acabava se diferenciando para a vaga concorrida. Trabalhei em banco e outros locais, e só depois fui para a Indústria Farmacêutica. São boas lembranças que estão nesta máquina, sem dúvida. Leve e faça a matéria!

Vamos à sessão de fotos realizada:

 

detalhe remington 25, mecanismo detalhe case para transporte

 

 

 

detalhe alça de transporte e botões aberturadetalhe nome e teclado robusto

 

 

 

 

 

 

 

 

Ela é uma máquina maravilhosa, portátil e prática para carregar, na época era o máximo para fazermos nossos relatórios e serviços diversos. Uma linda peça de recordação! E bastou uma limpeza para deixar ela novinha em folha, e as fotos foram muitas, mas o importante mesmo é mostrar os detalhes de beleza da máquina e pensar na História que ela carrega consigo. Observe os detalhes da máquina, as formas da mesma e combinação de cores. A qualidade dos materiais utilizados na época deixaram saudades, hoje existem vários argumentos para se produzir tudo com economia e materiais inferiores.

Enfim, obrigado Valdomiro, sua máquina fez muito sucesso por aqui! 

Valeu sua participação, ela marcou o início de uma interatividade real que será uma marca do Baú dos Antigos!

 

remington 25 - novo equipamento na redaçãoremington 25 - materia sendo dactylographada

Bom, aí está, meu amigo, Valdomiro, sua máquina na redação do Baú dos Antigos; estou aproveitando para fazer as matérias com ela, por isso peço paciência nos próximos posts, não tenho muita prática, faz tempo que não uso uma belezinha destas! Bons tempos, mas vamos lá, a tecnologia tem o lado bom, muito bom aliás, pois hoje temos mais informações e condições de divulgar o passado e mostrar que este passado nos fez o que somos hoje!

Obrigado Internauta, por nos acompanhar e pela sua participação enriquecendo nosso conteúdo!

Mas aguarde, tem mais relatos por aí…

Eu sou o

Mauricio Super

 

CC BY-SA 4.0 Dactylographia – Testemunho Internauta by Baú dos Antigos is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.

2 Responses so far.

  1. Mauricio Nero disse:

    Máquina linda mesmo! Só quero ver editar as matérias nela, não pode errar!

    • Pois saiba que tenho grande experiência neste modelo específico de equipamento comandado através de inteligência cerebral visceral, em que a performance é baseada na paciência e no error ex! O resto é fácil, rsrsr
      Abraço Nero

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *