Mas quem é esse cara? Al Pacino – Cap II

Mas quem é esse cara? Al Pacino – Cap II

Al Pacino

Na estreia da série começamos a falar sobre o que representou este cara para as pessoas, em especial os fãs da arte do cinema. E hoje daremos sequência, e contaremos um pouco mais de sua brilhante trajetória! Acompanhe e confira!

Al Pacino: Um dia de cão

Al Pacino estreou no cinema em 1969, num papel menor de apoio, no filme Me, Natalie, mas apenas dois anos depois já fazia o papel principal no drama The Panic in the Needle Park, fazendo o papel de um viciado e pequeno traficante que se envolve com uma jovem desabrigada. Em 1975 o filme Dog Day Afternoon (Um dia de Cão) volta a lhe render alguns prêmios e indicações.

Veja na foto acima e no vídeo à seguir:

Um dia de cão, Al PacinoNuma tarde quente no Brooklyn dois homens planejam roubar um banco e o resultado será um desastre. O roubo deveria ter levado apenas dez minutos. Quatro horas depois, o banco parecia um espetáculo de circo. Oito horas depois, era notícia em toda a rede de TV. Doze horas depois, toda a história atinge o seu clímax e resolução mostrando quem é o verdadeiro protagonista. Estava consolidada a carreira de um jovem ator, que vai levá-lo à uma vida de fama duradoura. Afinal este é o cara da matéria de hoje! Nos seus anos de adolescência queria ser jogador de basebol, e para a nossa sorte não realizou este desejo. Não costumava ir às aulas com frequência, até que aos dezessete anos abandonou o colégio, fato que gerou discussões com sua mãe, e enfim ele fugiu de casa e passou a trabalhar em empregos de baixa remuneração. O grande talento de Al Pacino se mostra em todos os papéis desempenhados. Seu potencial para filmes com temas violentos não deixou que sua carreira se limitasse à isto, e um grande exemplo é a sua atuação no papel do tenente-coronel Frank Slade, em Scent of a Woman, (Perfume de Mulher), de 1992, filme que eu considero um ícone por sua brilhante mensagem. Confira:

Em busca de realizar um antigo sonho antes de morrer, um militar cego contrata um jovem e inexperiente estudante (Chris O’Donnell) para ajudá-lo a passar um fim de semana inesquecível em Nova Iorque. Vale a pena assistir e conferir o talento do cara da matéria! Quem diria que ele começou a fumar e beber aos nove anos de idade, e foi usuário ocasional de maconha, e até seus melhores amigos morreram devido a esse envolvimento com drogas. Com certeza, deu a volta por isso, e mesmo tendo crescido num ambiente de brigas ocasionais, no Bronx, mostrou ao mundo seu talento e superou as adversidades para se tornar o cara do cinema, com uma inesquecível carreira.

perfume de mulher: Al Pacino e Chris O'Donnell

Nesta cena o tenente Coronel convence o rapaz à orientá-lo ao volante de uma Ferrari, e o resultado é uma cena impressionante. Al Pacino, antes da fama, chegou a dormir na rua, no cinema ou na casa de amigos. Mesmo após muitas perdas familiares, seu talento falou mais alto e sua carreira decolou com um sucesso seguido do outro. Não há como enumerar os filmes, peças e seus respectivos prêmios alcançados, numa matéria apenas. Seria material suficiente para escrever um livro com muitas e muitas centenas de páginas. Só podemos aqui resumir e mostrar alguns dos sucessos mais relevantes e temos que escolher cenas e recortes para ilustrar esta que foi uma das mais brilhantes carreiras do cinema. Vou encerrar a matéria com uma cena inesquecível, não perca esta:

Em 1997 Keanu Reeves contracenava com o próprio capeta, nesta cena de The Devil’s Advocate (Advogado do Diabo), numa atuação tão intensa de Pacino, capaz de abalar até os mais crentes com seus argumentos. Kevin Lomax (Keanu Reeves), advogado de uma pequena cidade da Flórida, que nunca perdeu um caso, é contratado por John Milton (Al Pacino), dono da maior fAl Pacino em O Advogado do Diaboirma de advocacia de Nova York. Kevin passa a receber um alto salário e a contar com diversas mordomias, porém sofre a desaprovação de sua mãe, Alice Lomax, uma religiosa fervorosa que compara Nova York à Babilônia. Filme intenso que prende a nossa atenção desde o início até os créditos finais. No total contei mais de 50 filmes e 16 peças de teatro em sua carreira que prossegue até os dias atuais. Alfredo James Pacino, um cara que nos deixou um legado imenso de arte e entretenimento, dono de uma intensidade dramática que nos faz crer que ele realmente é todos os personagens que faz, que tem em sua alma todos eles latentes, prontos para explodir à qualquer momento em sua vida real. Este é o cara da primeira matéria desta série.

Espero que, apesar do resumo nestas duas partes, eu tenha conseguido transmitir um pouco da vida deste personagem importante para a Cultura, não só a Cultura Antiga como a atual, e que os jovens artistas e sonhadores de outras profissões se espelhem em sua garra e perseverança para entregar o melhor de si e marcar a vida das pessoas com sua genialidade.

Não perca o Capítulo III e conheça outro grande cara!

Eu sou o Mauricio Super

Mostrando a trajetória desses caras!!

Conheça também o Classificados do Baú!

Acompanhe a gente nas redes sociais, olha as opções:

 

CC BY-SA 4.0 Mas quem é esse cara? Al Pacino – Cap II by Baú dos Antigos is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *