Os vinis estão vivos!

Os vinis estão vivos!

Para você que pensou que as novas mídias iriam enterrar de vez os belos e charmosos vinis, temos uma novidade: Eles estão mais vivos e com qualidade do que nunca, e vários artistas de renome estão optando por esta mídia em seus trabalhos recentes!

Neste caso ficou a lição de que nem sempre a tecnologia ou as novas formas de se fazer algo devem enterrar as formas tradicionais, e que a cultura antiga criou coisas excelentes em todas as áreas, que estão sendo redescobertas aos poucos, depois de serem abandonadas pelo simples desejo de revolucionar e criar o novo. O Vinil é só um exemplo, e existem tantos outros que você vai descobrindo ao nos acompanhar em nossas matérias nas diversas plataformas das redes sociais. Você vai perceber nesta matéria que o retorno do vinil não é só por nostalgia, então aproveite e curta esta matéria especial! 

Vamos começar mostrando um legítimo vinil de 1989, comprado numa das feiras que ocorrem com frequência, fique com o clipe de uma de suas faixas, “Partyman”:

Isso mesmo, Prince fez a trilha sonora deste filme intitulado “Batman”, de 1989, dirigido pelo Tim Burton, com Jack Nicholson como o Coringa. Este LP faz parte do nosso acervo, e compramos recentemente, e está junto com os demais vinis, muitos comprados na época do lançamento, adoro manusear seus encartes e ouvir o som “natural” que eles reproduzem, inclusive com os defeitos próprios da gravação, que não são mutilados do original, por conta de processos tecnológicos modernos. Veja os encartes que fazem parte do vinil, tornando-o raro para colecionar:

Vinil gravado por Prince para o filme Batman

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

encartes de lançamento vinil com encartes para coleção

 

 

 

 

As vendas de discos de vinil nos EUA cresceram 10% em relação ao ano anterior de acordo com Nielsen Music e a Billboard. 13.1 milhões de discos foram vendidos em todos os EUA, e no Brasil, onde voltou a ser produzido numa fábrica no Rio de Janeiro, a previsão de crescimento é de 20%, ou seja, 150 mil discos.

Rozenblit, primeira gravadora e fábrica de vinis brasileira subsidiaria da EMI-Odeon no Brasil

Dois momentos históricos do vinil no Brasil: Criada em 1954 por José Rozenblit, a fábrica/gravadora que leva o sobrenome do comerciante de origem judaica chegou a ser uma das mais importantes do país ( Na imagem em P&B). Era totalmente brasileira!

Já a EMI-Odeon ou Odeon, (Electric and Musical Industries Ltd) , multinacional britânica no Brasil, foi uma gravadora que sobreviveu como uma subsidiária da EMI até a metade da década de 1980, quando acabou definitivamente. Avançamos no tempo e os vinis continuam justificando sua fama de reproduzir todas as frequências com mais naturalidade e agradar aos mais ecléticos e exigentes ouvidos do mundo. Atualmente eles são fabricados com um processo diferente da época em que foram lançados, eles tem 180 gramas e reproduzem uma música gravada com mais tecnologia, portanto com mais qualidade na gravação original, e sendo mais pesado, é mais estável ao tocar em sua pick-up, sendo livre de vibrações e oscilações. Agora veja este vídeo e voltaremos a conversar:

 

O trabalho acima foi lançado recentemente por Arjen Lucassen e é intitulado The Source, que trata-se de um projeto musical enorme, envolvendo dezenas de artistas de renome mundial, em vinil de 180 gramas! Álbum conceitual, com tema de ficção científica, ele optou pelo vinil, tendo oportunidade de criar um trabalho de altíssimo padrão, para colecionadores, com encartes e trabalho gráfico primoroso! 

projeto de Arjen Lucassen em vinil

O projeto em vinil tem um encarte com diversas cenas futurísticas referentes ao cenário onde ocorre a aventura descrita nas músicas, e o álbum duplo aberto também encarta uma cena e todos os artistas que participam do projeto. 

encarte com gravuras de alta qualidade arte na capa interna do disco lindo projeto gráfico na capa do vinil

 

 

 

 

Na capa do disco, o novo homem aquático em arte primorosa, só possível em vinil, criando a possibilidade de manuseio e coleção, como no passado. Esta é a nova concepção da música, de um lado os práticos arquivos em formatos para download ou streaming, e do outro lado, os artísticos e maravilhoso vinis, reconquistando seu lugar, que nunca deveria ter perdido. Entrando na área de filosofia, a tecnologia por vezes substitui o relacionamento entre as pessoas, como no caso de se reunir em volta de um toca-discos com outros apreciadores de músicas e compartilhar os encartes ao mesmo tempo em que se ouve e discute sobre o trabalho do artista, e cria-se um prático sistema de compartilhamento virtual de arquivos no lugar disto, distanciando as pessoas e tirando este prazer do trabalho final. Mas isto fica de lição para retomarmos o rumo. Abaixo seguem exemplos de vinis modernos de 180 gramas e em seguida exemplares das décadas de 1970 e 1980, do nosso acervo.

discos de vinil de 180 gramas modernos

Os vinis vieram para ficar, e criaram um mercado novo de aparelhos tocadores de discos mais modernos e funcionais, com tecnologia avançada e desenhos nostálgicos.

discos de vinil antigosHoje em dia diversas são as opções de tocadores de vinis, desde os profissionais até os mais decorativos, porém com diversas funções e tecnologia moderna. É isso que acontece quando unimos a qualidade e o prazer de ouvir música, e valorizamos o trabalho artístico que faz parte desta paixão, juntamos a vontade de colecionar materiais sobre nossos artistas preferidos e manusear nossos equipamentos e discos num ritual prazeroso. Veja como são charmosos os aparelhos atuais para tocar discos de vinis, atuais e antigos, e se apaixone por esta nova onda do passado!

Baú dos Antigos traz a Cultura Antiga até você, curta a nossa página e nos acompanhe nas diversas mídias sociais com conteúdo exclusivo!

Eu sou o Mauricio Super

hoje no meio dos vinis antigos e modernos

 

CC BY-SA 4.0 Os vinis estão vivos! by Baú dos Antigos is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *